Lobo Brasil
.

Lobo Internacional: Español | English
.


INFORMAÇÕES
Notícias
Curiosidades
Entrevistas
Todas seções

REVISTAS
Lista completa
Gibi por gibi
Checklist brasileiro
Referências
Outros
Reviews
Melhores
Gibis com Slobo

ALÉM DOS GIBIS
Cinema
Cards
Jogos
Todas seções

IMAGENS
Geral
Pensamentos
Arte original
Todas seções

NO MUNDO
Brasil
Estados Unidos
Portugal
Todos países

DOWNLOADS

LINKS

FALE CONOSCO
.


Revistas - reviews
Lobo Unbound #1
(03/07/2003)

Depois de um ano sem nenhuma aparição inédita do Maioral, Keith Giffen nos apresenta a muito aguardada minissérie “Lobo Unbound”. Algumas comic shops já têm a revista para a venda e já garantimos nosso exemplar para esse review. Se tudo correr bem, até o final do ano já teremos analisado todas as seis edições :)

História:
Lobo não está num momento muito favorável em sua carreira de caçador de recompensas. Ele começa a história lutando com seu mais recente alvo, mas logo depois aparenta não estar muito satisfeito com os trabalhos humilhantes a que tem se sujeitado. Contudo, no final desse capítulo, ele recebe uma missão que lhe garantirá meio bilhão de créditos e talvez lhe dê a chance de ser novamente reconhecido como o mais malvado entre os malvados.

Ficha técnica:
Roteiro: Keith Giffen
Desenho: Alex Horley

Pontos positivos / negativos:
Normalmente o primeiro capítulo de uma minissérie em seis partes funciona como uma espécie de “prólogo”, apresentando o personagem e a base da trama. Essa primeira edição de “Lobo Unbound” não foge à regra. As três primeiras páginas (re)contam a origem de Lobo, de seu nascimento à destruição de Czárnia, no estilo dos poemas e desenhos de Dr. Seuss (para quem não conhece, é o mais famoso e clássico autor norte-americano de histórias infantis, criador do Grinch, entre outros). A arte pintada de Alex Horley está muito boa, o visual do Maioral foi atualizado de forma competente por Giffen e o novo logotipo da revista conseguiu ficar um pouco melhor do que o tradicional. Os personagens secundários também são interessantes, como um vilão que luta com seus dois testículos gigantes (ver imagem abaixo) e os chatos que vivem nos pêlos pubianos de uma mulher morta e que contratam Lobo no final da revista. Contudo, ao final da leitura, temos a sensação de que ainda não foi “dada a partida” na história, faltando até mesmo uma ligação mais interessante para a segunda edição. Mesmo assim, a revista merece um voto de confiança, principalmente porque Keith Giffen não costuma decepcionar os fãs do Lobo.

Análise parcial (nota de 0 a 5):
Obs.: A análise final será divulgada com o review da última edição da minissérie.
.

Lobo Brasil, trazendo serviços indispensáveis à internet desde 29 de outubro de 1997.
Todos personagens citados são, em sua maioria,
© DC Comics, publicados sem autorização, mas com todo respeito ;)
As informações contidas nesse site podem ser usadas livremente, desde que se cite a fonte, preferentemente com link.

Lobo Brasil © 1997-2008, Lucio Luiz