Lobo Brasil
.

Lobo Internacional: Español | English
.


INFORMAÇÕES
Notícias
Curiosidades
Entrevistas
Todas seções

REVISTAS
Lista completa
Gibi por gibi
Checklist brasileiro
Referências
Outros
Reviews
Melhores
Gibis com Slobo

ALÉM DOS GIBIS
Cinema
Cards
Jogos
Todas seções

IMAGENS
Geral
Pensamentos
Arte original
Todas seções

NO MUNDO
Brasil
Estados Unidos
Portugal
Todos países

DOWNLOADS

LINKS

FALE CONOSCO
.


Revistas - reviews
Lobo Sem Limites nº 2
(24/06/2004)

Enquanto os boatos de que a Brainstore faliu ficam cada vez mais fortes (embora os responsáveis pela editora garantam que nada aconteceu), a minissérie “Lobo Sem Limites” vem se mostrando como única chance esse ano de vermos algum material inédito do Lobo em português. Visto isso, vamos ao review, lembrando dois fatos: 1 - A segunda edição da mini acaba de chegar às bancas do Rio e de São Paulo, mas, como tem distribuição setorizada, os demais estados a receberão apenas daqui a dois meses (ou seja, se não quiser ler eventuais spoilers, leia o review só depois de adquiri-la). 2 - Como faz pouquíssimo tempo que saiu a edição americana e, portanto, fizemos seus reviews recentemente, vamos concentrar os comentários sobre as diferenças entre a publicação original e a brasileira. Para opiniões mais detalhadas sobre o conteúdo das revistas, basta conferir as resenhas sobre a mini original já publicadas no site Lobo Brasil.

História:
Lobo continua no planeta Y’abbah Dhabba Dhu e cumpre sua missão de matar o regente local, sem saber o que lhe aguarda depois disso. Também é apresentada a origem de Bling Bling, a vilã que apareceu na última edição. Após o assassinato, Lobo assume a regência do planeta e conhece os benefícios e desvantagens dessa posição. Ao mesmo tempo, Ambush Bug (ou Besouro Bisonho, como traduziram seu nome) aparece no planeta, mas vai logo preso.

Ficha técnica:
Roteiro: Keith Giffen
Desenho: Alex Horley
Desenho da seqüência de Bling Bling: Mike DeCarlo e JD Mettler
Desenho da seqüência de Ambush Bug (ou Besouro Bisonho, como preferir):
Andy Kuhn

Pontos positivos / negativos:
Novamente, o fato da revista trazer duas edições originais de uma vez a salva. A primeira parte do gibi (correspondente ao número 3 americano) é a mais fraca das seis, embora tenha algumas “sacadas” interessantes. Mesmo assim, podemos considerar que essa edição de “Lobo Sem Limites” é dividida em três partes relativamente independentes: a história de Bling-Bling, a de Lobo e a de Ambush Bug (ou Besouro Bisonho). A última, de longe, a mais interessante das três.

A parte de Lobo é uma repetição de algumas das piadas referentes ao povo árabe que já foram feitas na edição anterior. E mais algumas lutas sem sentido, pra variar (o que é bom, se considerarmos de qual personagem estamos falando). Quanto a Besouro Bisonho (nome utilizado pela Panini para o personagem Ambush Bug), que salva a edição com uma seqüência nonsense. Para quem não conhece, ele é um personagem criado por Keith Giffen há muito tempo. Apesar de pouco conhecido no Brasil, ele fez bastante sucesso nos passado, nos Estados Unidos, com uma série de revistas extremamente nonsense e de um humor cínico e metalingüístico. Em outras palavras: é um personagem maluco e divertido :)

Diferente da última edição, não ocorrem “derrapadas” na tradução dignas de nota. Ainda assim, novamente temos erros nos créditos das histórias, pois mais uma vez esqueceram de indicar os responsáveis pelas seqüências extras (a de Bling-Bling no início e a do Besouro Bisonho no final). Com exceção desse detalhe, o gibi continua mantendo o nível de qualidade. Vale registrar que houve um aumento de R$0,40 e o gibi ganhou um “Impróprio para menores de 16 anos” na capa.

Análise final (notas de 0 a 5):
Roteiro
Humor
Violência
   

Lobo Brasil, trazendo serviços indispensáveis à internet desde 29 de outubro de 1997.
Todos personagens citados são, em sua maioria,
© DC Comics, publicados sem autorização, mas com todo respeito ;)
As informações contidas nesse site podem ser usadas livremente, desde que se cite a fonte, preferentemente com link.

Lobo Brasil © 1997-2008, Lucio Luiz