Lobo Brasil
.

Lobo Internacional: Español | English
.


INFORMAÇÕES
Notícias
Curiosidades
Entrevistas
Todas seções

REVISTAS
Lista completa
Gibi por gibi
Checklist brasileiro
Referências
Outros
Reviews
Melhores
Gibis com Slobo

ALÉM DOS GIBIS
Cinema
Cards
Jogos
Todas seções

IMAGENS
Geral
Pensamentos
Arte original
Todas seções

NO MUNDO
Brasil
Estados Unidos
Portugal
Todos países

DOWNLOADS

LINKS

FALE CONOSCO
.


Revistas - reviews
Last Sons (livro)
(19/10/2006)

Last SonsAntes de tudo, um mea culpa: Eu deveria ter trazido o review do livro “Last Sons” vários meses atrás, mas as coisas foram se acumulando e acabei deixando para depois. Com a chegada da maxissérie “52” e a participação de Lobo sendo bem maior do que o imaginado, acabou enrolando ainda mais o lançamento desse review. Bom... Mas, agora, ele finalmente chegou :)

Para quem não sabe, “Last Sons” é o primeiro romance a trazer Lobo como protagonista. Para os menos letrados, romance é sinônimo de “livro sem figuras” :P

História:
Lobo, Super-Homem e o Caçador de Marte se envolvem numa aventura espacial contra um vilão que quer destruir todo o universo. No caso de Lobo, ele só está pensando em seu próprio lucro, claro.

Ficha técnica:
Roteiro: Alan Grant
Como é livro, não tem nem desenhista nem arte-finalista, claro :P

Pontos positivos / negativos:
De longe, o principal ponto positivo do livro, ao menos para os fãs do Maioral, é que, apesar de contar com três protagonistas, pode-se encarar “Last Sons” como um livro de Lobo. Claro que há alguns capítulos abordando outros personagens, mas o livro é essencialmente sobre Lobo, sendo o Caçador de Marte um coadjuvante interessante e o Super-Homem uma reles “participação especial”.

Provavelmente um dos motivos que colaboraram para isso foi o fato do escritor ser Alan Grant, um dos mais criativos roteiristas que já trabalharam com Lobo (e até hoje o “recordista” em roteiros de quadrinhos com a participação do Maioral). O cenário básico, o espírito da história e o humor da narrativa são essencialmente ligados a Lobo.

A grande vantagem de um romance é a possibilidade de aprofundar a personalidade dos personagens, e Alan Grant não falha nesse sentido. Ele desenvolve Lobo muito bem e aperfeiçoa sua relação com Darlene, a garçonete que aparecia em seu gibi regular (sim, praticamente todos os personagens criados por Alan Grant para a série regular aparecem no livro e, no caso de Darlene, tem uma participação essencial no final da história).

O Caçador de Marte ficou muito bem caracterizado, sendo um excelente contraponto a Lobo em vários momentos. Super-Homem, contudo, foi muito mal aproveitado, sendo, como já disse no início, uma reles participação especial (certamente para melhorar as vendas do livro).

Apesar desse pequeno detalhe, o livro é muito bom e altamente recomendável. Divertido na medida certa até para quem não acompanha os quadrinhos, especialmente porquê Alan Grant apresenta um resumo da história de todos personagens, “situando” os leitores que eventualmente não os conheçam (até o Super-Homem, a despeito de ser um ícone da cultura pop, tem direito a um resumo durante a narrativa).

Se você tem um amigo que gosta de livros de ficção científica ou de humor e nunca quis conhecer Lobo por não ler quadrinhos, essa é sua chance de convencer mais uma pessoa a virar fã do Maioral ;)

Análise final (notas de 0 a 5):
Roteiro
Humor
Violência
   

Lobo Brasil, trazendo serviços indispensáveis à internet desde 29 de outubro de 1997.
Todos personagens citados são, em sua maioria,
© DC Comics, publicados sem autorização, mas com todo respeito ;)
As informações contidas nesse site podem ser usadas livremente, desde que se cite a fonte, preferentemente com link.

Lobo Brasil © 1997-2008, Lucio Luiz