Lobo Brasil
.

Lobo Internacional: Español | English
.


INFORMAÇÕES
Notícias
Curiosidades
Entrevistas
Todas seções

REVISTAS
Lista completa
Gibi por gibi
Checklist brasileiro
Referências
Outros
Reviews
Melhores
Gibis com Slobo

ALÉM DOS GIBIS
Cinema
Cards
Jogos
Todas seções

IMAGENS
Geral
Pensamentos
Arte original
Todas seções

NO MUNDO
Brasil
Estados Unidos
Portugal
Todos países

DOWNLOADS

LINKS

FALE CONOSCO
.


Revistas - reviews
Anti-heróis do Universo DC nº 7
(10/08/2003)

Essa é a segunda parte da minissérie publicada na revista “Anti-heróis do Universo DC”. O review da primeira parte já está no ar.

História:
Publicada originalmente em “Lobo UnAmerican Gladiators” #3-4, de agosto e setembro de 1993: Começa a segunda rodada do “Maim Game”. Victor, ajudante de Johnny Caesar, descobre que sua esposa, Candy, o está traindo com seu chefe e resolve contar a verdade: que a competição é armada. Claro que ele é aprisionado para que não conte nada. A competição começa e é sangue para tudo quanto é lado. Claro que Lobo ajuda a aumentar o volume de sangue derramado.

Ficha técnica:
Roteiro: Alan Grant / John Wagner
Desenho: Cam Kennedy

Pontos positivos / negativos:
Essa edição é recheada de clichês: a competição armada, o marido traído que entrega tudo, a luta final entre os armadores e o enganado, etc, etc, etc. Contudo, esses clichês só aumentam a graça da revista, que é pautada exatamente num humor escrachado. A segunda parte da história nada deve à primeira. Pelo contrário, consegue ser mais interessante, pois já não precisa, logicamente, usar várias páginas como introdução à história. Voltando ao aspecto citado no review da primeira parte (as características do Lobo na época em que fazia parte da L.E.G.I.Ã.O.), isso fica muito patente aqui, especialmente no final. Sem querer estragar a surpresa de quem ainda não leu a revista, faça um exercício de imaginação: Se a revista fosse feita nos dias de hoje, o final seria com Lobo sacaneando os dois chatos, mas mantendo-os vivos, ou simplesmente estripando-os sem piedade? Particularmente, prefiro a solução utilizada na revista, mas sabemos que hoje em dia Lobo chegou a um patamar e violência que o normal seria matar a todos e ponto final. Esperamos que com a “re-reformulação” de Keith Giffen em “Lobo Unbound” ele volte ao ponto anterior.

Análise final (notas de 0 a 5):

Roteiro
Humor
Violência
   

Lobo Brasil, trazendo serviços indispensáveis à internet desde 29 de outubro de 1997.
Todos personagens citados são, em sua maioria,
© DC Comics, publicados sem autorização, mas com todo respeito ;)
As informações contidas nesse site podem ser usadas livremente, desde que se cite a fonte, preferentemente com link.

Lobo Brasil © 1997-2008, Lucio Luiz